Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Das mil solidões adstritas ao terrível ofício de poeta

Acabei de ler, e tem inúmeras pestaninhas coloridas, o livro de José Gomes Ferreira, “Relatório de Sombras ou A Memória das Palavras II”, de 1980. É dele a citação em título.

É texto. Tem sumo.

Descobri o exemplar, 1ª Edição, num Alfarrabista.

Encontrei, porque andava à procura. A melhor forma de comprar num alfarrabista é saber o que queremos. Senão, perdemo-nos. Eu pelo menos perco-me.

Ali se fala dos escritores contemporâneos dele (José Gomes Ferreira) e se dá nota dos dissabores e dificuldades de poetas como Cesário Verde, Florbela Espanca, Irene Lisboa, Teixeira de Pascoaes, etc. Ali se deixa para a posteridade um testemunho do meio literário, que não se tinha alterado durante a vida do escritor e, para nossa pouca sorte, se mantém ainda em 2022.

Senti-me em casa!

E porquê?

Porque acabei de lançar uma antologia minha. Quatrocentas e cinquenta páginas, que só meia dúzia de pessoas percorrerá.

Do autor de “Relatório de Sombras”, a páginas 30 e 31:

Mas… concluída a obra, espera-o ainda outra solidão, talvez em certos casos mais trágica do que a famosa incomunicabilidade das almas agora em moda. O desinteresse, a indiferença, o vazio social, em suma, onde os livros caem como pedras de papel em poços forrados de lã, para lhes amortecerem os ecos.”

Foi verdade! É verdade! Já era assim no tempo de Luís Vaz de Camões (no sec. XVI).

Alguns, mas só alguns, ganharam notoriedade após a morte. Outros, nem isso.

Que me interessa, que me conforta a mim, o que puderem apreciar-me depois de morta?

Nem flores, nem floreados, atiçarão cinzas.

IMG_20221029_162016.jpg

publicado às 16:05

Descobrir autores novos

por Amarelinha, em 08.06.22
Por alturas da Feira do Livro de 2021, dei comigo a decidir só comprar poesia e, importante, de autores do presente. Gente viva, com nome feito, mas para mim desconhecida.
Fiz umas pesquisas na internet e um dos nomes que me interessou foi João Luís Barreto Guimarães.
Terminei ontem um dos livros dele: “Movimento”. Tem colocadas uma porção de pestaninhas coloridas, o que indica que gostei bastante do que li. 
Não sei se o senhor concordará comigo, mas eu considero-o ao nível de José Gomes Ferreira, e até o arrumo na mesma “gaveta” do meu cérebro. É uma associação pela positiva.
(E, diga-se, eu gosto muito do que escreveu José Gomes Ferreira. Tanto que procuro os livros dele em alfarrabistas. É-me estranho que não haja para com este escritor o mesmo tratamento que outros têm. Não há reedições.)
Deixo apenas os versos que finalizam o poema “Hotéis decadentes que atendem no Inverno”, da página 72, do livro “Movimento”:
“… A margem do rio desenha-se
com luzes que bruxuleiam
quando caminhas contigo: é inquietação
o que sentes?
Vê se mudas isso em ti.”
 
Como eu gostaria de conseguir mudar a inquietação em mim.

 

 

publicado às 18:20


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D