Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Olhar, E VER, os nossos doentes

por Amarelinha, em 04.12.19

“Deixei de reconhecer uma urgência. Ela está sempre tão doente!”

É uma grande verdade.

Li isto numa série televisiva, dessas que têm a ação em ambiente hospitalar. Ficou-me na memória, porque é mesmo assim que acontece.

A minha mãe sempre foi muito doente. Estar doente, há seis décadas que passou a ser o seu estado normal. E eu, que tenho que me preocupar com isso, e me preocupo, há muito que deixei de saber reconhecer uma urgência.

Enfim, fez há dias entorse num pé. Deu para identificar.

Mas hoje, está mais uma vez com dores que podem indiciar angina de peito, ou problemas no coração. Provavelmente é só ansiedade. (Ela tem um quadro mental bem complicado, e praticamente sem tratamento.) Só que não me cabe a mim saber o que é.

São as crises do costume e passa? Ou não passa?

Não quer ir para as urgências. Não quer vir para minha casa.

Onde acaba a minha responsabilidade, se os caminhos que aponto não são seguidos? Aqui, ou mais além?

Obrigo-a? E isso faz-se? Legalmente, não se faz.

publicado às 10:22


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D